LINKS E PESQUISAS

Carregando...

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

SUSTENTABILIDADE



COMO SURGIU O CONCEITO

O termo desenvolvimento sustentável foi utilizado pela primeira vez, em 1983, por ocasião da Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, criada pela ONU. Presidida pela então primeira-ministra da Noruega, Gro Harlem Brudtland, essa comissão propôs que o desenvolvimento econômico  fosse integrado à questão ambiental, estabelecendo-se, assim, o conceito de “desenvolvimento sustentável”.
Os trabalhos foram concluídos em 1987, com a apresentação de um diagnóstico dos problemas globais ambientais, conhecido como “Relatório Brundtland”. Na Eco-92 (Rio-92), essa nova forma de desenvolvimento foi amplamente difundida e aceita, e o termo ganhou força. Nessa reunião, foram assinados a Agenda 21 e um conjunto amplo de documentos e tratados cobrindo biodiversidade, clima, florestas, desertificação e o acesso e uso dos recursos naturais do planeta.


O QUE SIGNIFICA

Desenvolvimento sustentável significa:
“Atender às necessidades da atual geração, sem comprometer a capacidade das futuras gerações em prover suas próprias demandas.”
Isso quer dizer: usar os recursos naturais com respeito ao próximo e ao meio ambiente. Preservar os bens naturais e à dignidade humana. É o desenvolvimento que não esgota os recursos, conciliando crescimento econômico  e preservação da natureza.
Dados divulgados pela ONU revelam que se todos os habitantes da Terra passassem a consumir como os americanos, precisaríamos de mais 2,5 planetas como o nosso. Estamos usando muito mais os recursos naturais do que a natureza consegue repor. Em muito pouco tempo, se continuarmos nesse ritmo, não teremos água nem energia suficiente para atender às nossas necessidades. Cientistas prevêem que os conflitos serão, no futuro, decorrentes da escassez dos bens naturais.

COMO ATINGIR O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

A primeira etapa para conquistar o desenvolvimento sustentável é reconhecer que os recursos naturais são finitos. Usar os bens naturais, com critério e planejamento. A partir daí, traçar um novo modelo de desenvolvimento econômico para a humanidade.
Confunde-se muito desenvolvimento com crescimento econômico. São coisas distintas:
- desenvolvimento que depende do consumo crescente de energia e recursos naturais, que as atividades econômicas são incentivadas em detrimento ao esgotamento dos recursos naturais do país, é involução. É insustentável e está fadado ao insucesso.
- Desenvolvimento sustentável está relacionado à qualidade, ao invés da quantidade, com a redução de matéria-prima e produtos. Implica em mudanças nos padrões de consumo e do nível de conscientização.


É um modo de consumir capaz de garantir não só a satisfação das necessidades das gerações atuais, como também das futuras gerações. Isso significa optar pelo consumo de bens produzidos com tecnologia e materiais menos ofensivos ao meio ambiente, utilização racional dos bens de consumo, evitando-se o desperdício e o excesso e ainda, após o consumo, cuidar para que os eventuais resíduos não provoquem degradação ao meio ambiente. Principalmente: ações no sentido de rever padrões insustentáveis de consumo e minorar as desigualdades sociais.
Adotar a prática dos três ‘erres’: o primeiro R, de REDUÇÃO, que se recomenda evitar adquirir produtos desnecessários; o segundo R, de REUTILIZAÇÃO, que sugere que se reaproveite embalagens, plásticos e vidros, por exemplo; por fim, o terceiro e último R, de RECICLAGEM, que orienta separar o que pode ser transformado em outro produto ou, então, em produto semelhante.

Fonte: http://www.infoescola.com/geografia/desenvolvimento-sustentavel/

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

REGIÃO NORDESTE



A Região Nordeste do território brasileiro é composta por nove estados: Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe. Sua extensão territorial é de 1.554.257,0 quilômetros quadrados, sendo o terceiro maior complexo regional do Brasil, ocupando 18,2% da área do país. O território nordestino limita-se com as regiões Norte (a oeste), Centro-Oeste (a sudoeste), Sudoeste (ao sul), além de ser banhado pelo oceano Atlântico (ao norte e leste).

Conforme dados do Censo Demográfico de 2010, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população nordestina totaliza 53.081.950 habitantes, abrigando cerca de 28% da população residente no Brasil. A densidade demográfica é de 34,1 habitantes por quilômetro quadrado; o crescimento demográfico é de 1,3% ao ano. A população urbana é maioria – 73%. O estado da Bahia é o mais populoso (14.016.906 habitantes); Sergipe possui a menor concentração populacional da Região (2.068.017 habitantes).

O Nordeste apresenta características físicas e socioeconômicas que variam de acordo com a região, fato que criou as sub-regiões do Nordeste: Meio-Norte, Zona da Mata, Agreste e Sertão.

A economia nordestina está em constante processo de desenvolvimento. A Região vem recebendo várias indústrias, um dos motivos é a concessão de benefícios fiscais pelos governos estaduais (isenção de impostos, doação de terrenos, etc.), além de mão de obra mais barata; um dos exemplos foi a instalação da Ford, na Bahia, e diversas empresas têxteis, no Ceará.

Outro elemento essencial para a economia do Nordeste é a exploração de petróleo: a região é a segunda produtora de petróleo do país e a maior na extração de petróleo em terra. Possui também um dos principais polos petroquímicos do Brasil – Camaçari, na Bahia.

A agricultura e a pecuária são extremamente prejudicadas com a irregularidade das chuvas. Destacam-se nesse setor a criação de cabras, em razão da fácil adaptação do animal ao clima. A cana-de-açúcar é o produto agrícola que se destaca, mas as lavouras irrigadas de frutas tropicais vêm crescendo em importância na produção nacional. O Nordeste apresenta significativa criação comercial de camarão, concentra 97% da produção nacional desse crustáceo.

O turismo é de fundamental importância na economia. O grande número de cidades litorâneas com belas praias atrai milhões de turistas anualmente. Conforme dados do Instituto Brasileiro do Turismo de 2009, capitais nordestinas como Salvador (BA), Fortaleza (CE), Recife (PE) e Natal (RN) estão entre as cidades brasileiras que mais recebem turistas estrangeiros. A participação do Nordeste para o Produto 
Interno Bruto (PIB) nacional é de 13,1%.

A região apresenta vários problemas de ordem socioeconômica. Os estados nordestinos ocupam as últimas colocações no ranking nacional de Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). A taxa de mortalidade infantil é a maior do país – 33,2 óbitos a cada mil nascidos vivos. Cerca de 55% das residências não possuem saneamento ambiental. A expectativa de vida do nordestino é a menor do Brasil (70 anos). No entanto, o Nordeste tem apresentado melhoras significativas nos aspectos sociais. A desnutrição infantil, por exemplo, sofreu redução de 67% num período de 10 anos (1996 – 2006), conforme dados divulgados pelo Ministério da Saúde.


Fonte: http://www.brasilescola.com/brasil/a-regiao-nordeste.htm

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

GEOGRAFIA? O QUE É E O QUE ESTUDA?







O termo "geografia" é muito antigo. Remonta à Grécia clássica. No entanto, o conteúdo que se atribui a esse termo variou bastante ao longo dos séculos. Atualmente, a geografia vive um momento de questionamento de seus modelos tradicionais e de busca de novos caminhos metodológicos.
De qualquer modo, o entendimento contemporâneo que se dá à geografia a concebe como uma ciência sintética e empírica, que estuda a manifestação e o relacionamento dos fenômenos na superfície terrestre.
De fato, para entender a verdadeira dimensão e importância do homem, obrigatoriamente devemos compreender as rigorosas limitações que a natureza impõe à nossa existência. O lugar comum dos seres humanos é a superfície terrestre, ainda que os avanços tecnológicos nos tenham permitido ultrapassar as altas camadas da atmosfera, atingir a Lua e até outros planetas do sistema solar.

Estrato geográfico terrestre

Convém lembrar, contudo, que não são todas as áreas da superfície da Terra que servem de abrigo natural ao homem. Geleiras, oceanos, desertos, pântanos e montanhas elevadas são limites naturais que a humanidade pode superar com investimentos econômicos e tecnologia. Porém, isso só ocorrerá quando houver interesse político, científico ou ainda viabilidade econômica. Quer dizer, se houver uma necessidade premente de se conquistar espaço para as atividades socioeconômicas e políticas.
Nesse sentido, o espaço vital para a sobrevivência humana é claramente delimitado. Em "Fundamentos teóricos da moderna geografia física na interação de ciências sobre o estudo da Terra" (1968), o geógrafo soviético A.A. Grigoriev denominou esse espaço como estrato geográfico terrestre e o definiu como sendo limitado pela litosfera, como piso, e a estratosfera, onde se situa a camada de ozônio, como teto.
É nesse intervalo de poucas dezenas de quilômetros - que vai da parte superior da crosta terrestre até a abixa atmosfera - onde vivem naturalmente o homem, assim como os demais seres animais e vegetais. Esse é o palco onde as sociedades humanas se organizam, se reproduzem e promovem grandes alterações na natureza.

Vivendo e interferindo com a biosfera

O objeto máximo de preocupação da geografia - o homem e suas complexas relações, vivendo e interferindo com a biosfera - encontra-se nessa interface onde se encontram separados, de um lado, o núcleo terrestre, e de outro, a alta atmosfera e o espaço celeste do universo. A dinâmica que rege os fenômenos da natureza contidos no estrato geográfico é produto do confronto entre as forças geradas pela energia do Sol que atua na superfície terrestre, com a ajuda da atmosfera, e a energia interior da Terra, que age através da crosta terrestre ou litosfera.
A geografia de hoje visa a conhecer cada dia mais o ambiente natural de sobrevivência do homem, bem como entender o comportamento de nossas sociedades, nas suas relações com a natureza e nas suas relações socioeconômicas e culturais. Desse modo, a geografia se interessa em apreender como cada sociedade humana organiza e estrutura o espaço físico territorial diante dos limites impostos, por um lado, pelo meio natural, e, por outro, pela capacidade técnica, o poder econômico e os valores socioculturais.

Organização socioeconômica

Assim, é de absoluto interesse para o conhecimento geográfico essa intensa troca de conhecimentos, mercadorias e moedas que são determinadas tanto por necessidades naturais quanto por necessidades criadas pelo própria civilização contemporânea, as quais se ampliam e se tornam cada dia mais complexas.
São objetos do estudo geográfico a organização da sociedade na agricultura e na indústria, a dinâmica demográfica, o crescimento e a organização das cidades, suas causas e consequências. Além disso, a geografia contemporânea deve esmiuçar o que acontece com o crescente processo de distanciamento entre os interesses socioeconômicos e as necessidades de preservação dos recursos naturais.
Nas palavras de Jurandyr Luciano Sanchess Ross, da Universidade de São Paulo, "a procura de soluções alternativas para o desenvolvimento econômico, com justiça social e racionalização do uso dos recursos naturais que atenue os impactos ambientais, é o rumo a ser perseguido pelas sociedades atuais e futuras. Isso deve ser objeto de preocupação da geografia, ajudar a encontrar o caminho para o desenvolvimento sustentável".

Áreas de estudo

Finalmente, vale esclarecer que esses estudos podem ser delimitados por áreas, de modo que se pode falar em:
Geografia física
o conjunto das disciplinas que estudam os componentes do meio natural, geomorfologia, climatologia, hidrologia, pedologia e biogeografia.
Geografia econômica
estuda os fenômenos da produção, da troca, da circulação e do consumo de bens materiais e de serviços em sua dimensão espacial.
Geografia humana
estuda os fenômenos relacionados à população – evolução demográfica e espacial da população, localização e forma de assentamentos dos grupos humanos e suas atividades (o que acaba englobando a geografia econômica).
Geografia regional
ocupa-se do estudo monográfico de uma região ou de uma combinação de fenômenos no âmbito de uma região.
Geografia política ou geopolítica
estuda a relação entre o espaço e o poder, ou entre o Estado e o território.


Fonte: http://educacao.uol.com.br/disciplinas/geografia/geografia-o-que-e-e-o-que-estuda.htm